• (11) 3079-6048
  • (11) 3079-6319
  • (11) 99565-9595

D. O. R. T. / L. E. R. - Orientações Gerais

D. O. R. T. (Doenças Ósteo - Articulares Relacionadas ao Trabalho) e/ou L. E. R. (Lesões por Esforços Repetitivos) são terminologias para afecções que podem acometer tendões, sinóvias (membranas que atuam no recobrimento e lubrificação das articulações e tendões em seus deslocamentos), músculos, nervos, fasciais, ligamentos, isolada ou associadamente com ou sem degeneração dos tecidos, atingindo principalmente os membros superiores - dedos, punhos, antebraços, cotovelos e ombros, podendo se estender ao pescoço, ao músculo, a região cervical e até mesmo a região lombar e membros inferiores.

São inflamações que podem ter origem no lar, no trabalho ou pela prática de esportes que exigem movimentos repetitivos, ou esforços excessivos.

Devido ao uso generalizado do computador ou de outras atividades que necessitam de atenção, concentração, e desenvolvidas com má postura.

A necessidade de diminuir estes danos levou ao surgimento de novos ramos na medicina e na engenharia do trabalho . A preocupação com as condições de trabalho passou a ser assunto considerado no planejamento dos escritórios e demais departamentos.

O trabalho como fonte de doença.

"A natureza impõe ao gênero humano a necessidade de prover a vida diária através do trabalho. Dessa necessidades, surgiram todas as artes como as mecânicas e as liberais, que não são desprovidas de perigos, como, aliás, todas as coisas humanas. É forçoso confessar que ocasionam não poucos danos aos artesãos, certos ofícios que eles desempenham. Onde esperavam obter recursos para sua própria manutenção e a da família, encontram graves doenças e passam a amaldiçoar a arte à qual se haviam dedicado."

"Numerosos estudos consideram que os movimentos repetitivos, os esforços excessivos e/ou as posições anormais necessárias para lidar com a organização cada vez mais mecanizada e estressante do modelo industrial moderno, são as principais causas" - a não ser o fato deste último vincular a doença ao uso da máquina e ao estresse da "vida moderna".

Para aqueles que acreditam que as doenças do Aparelho Locomotor associadas com o trabalho constituem unicamente um "produto moderno" da era da industrialização, as palavras acima podem constituir motivo para reflexão. Escritas no século XVII, por Ramazzini, um médico italiano que se dedicou a descrever doenças ocupacionais, cerca de 200 anos antes da revolução industrial e dos métodos Taylor-Fordianos de organização da produção, tais palavras parecem apontar para o fato de que certas atividades ocupacionais, independente da época em que são exercidas e da presença de máquinas ou produção organizada, exigem das pessoas posturas, esforços físicos e mentais que podem produzir doenças.

Discorrendo sobre a doença dos que "trabalham sentados", Ramazzini assim se expressou: "aqueles que levam vida sedentária, e são chamados, por isso, de artesãos de cadeira, como os sapateiros, os alfaiates e os notários, sofrem doenças especiais, decorrentes de posições viciosas e da falta de exercícios".

Sobre a doença dos escribas e notários, ele observou: "com o nome notário, não quero designar aquele que, em nosso tempo, se ocupa com a redação de testamentos e contratos. Refiro-me aqueles que, por meio de pequenas notas (daí a denominação notário), se distinguem pela arte de escrever com velocidade. Três são as causas das doenças dos escreventes:
Contínua vida sedentária;
Contínuo e sempre o mesmo movimento da mão;
Atenção mental, para não manchar os livros e não prejudicar seus empregadores.

Também sobre o tratamento das doenças ocupacionais do Aparelho Locomotor, Ramazzini assim se expressou: "e que proteção prescreve a arte médica aos que, por sua perseverança em escrever, são atacados de tão graves males?".

"Em primeiro lugar, que se empenhem em corrigir os males provocados pela vida sedentária, com exercícios corporais moderados e fricções. Que usem proteção das mãos contra o frio, como as luvas... Convém adequar a alimentação... Para a cabeça, purgatórios, e mastigatórios como o fumo, usado moderadamente"... Todos esses conceitos são tão "modernos" que se omitíssemos a origem e adaptássemos ligeiramente a linguagem e alguns dos métodos terapêuticos propostos, o texto passaria como mais um dos inúmeros trabalhos publicados recentemente sobre o assunto.

Diagnóstico:

É essencialmente clínico e baseia-se no histórico clínico-ocupacional do paciente, depende de exame físico detalhado que deverá ser feito por profissionais habilitados, exames complementares (RX, Tomografia, Eletromiografia, etc) e análise das condições de trabalho, podendo assim diagnosticar os casos de D. O. R. T. / L. E. R.

Quem pode desenvolver a D. O. R. T. / L. E. R.?

Qualquer um cuja a função envolva movimentos repetitivos. No entanto os mais atingidos são os datilógrafos, digitadores, caixas de banco e supermercado, trabalhadores de linha de montagem, separadores de correspondência, além de artistas ( músicos, bailarinos, pintores), atletas (vôlei, tênis, natação) e profissionais liberais (dentistas, arquitetos).

O que pode causar?
- Má postura;
- Atividades físicas que exijam grandes esforços dos membros superiores e inferiores;
- Falta de exercícios físicos específicos para o fortalecimento dos nervos e músculos;
- Predisposição;
- Repetitividade de um mesmo movimento;
- Atividades domésticas;
- Dupla jornada.

Tipos de lesões mais freqüentes:
- Bursite - Inflamação das bursas pequenas bolsas em região de atrito entre os diversos tecidos do ombro com manifestação de dor na realização de certos movimentos.
- Tenossinovite - Inflamação dos tecidos sinoviais que recobrem os tendões em sua passagem pelos túneis fibrosos dos ossos. Exemplos:
- Tenossinovite de Quervain: é decorrente do espessamento do ligamento anular do carpo, na parte em que passam os tendões que flexionam e esticam o polegar. O processo inflamatório do local atinge os tecidos sinoviais e tecidos próprios dos tendões desde a base do osso rádio do antebraço até o polegar, podendo iinativar tanto o seu funcionamento como o do punho.
- Tenossinovite dos Extensores dos dedos: é a inflamação aguda ou crônica dos tendões extensores (que esticam) dos dedos e das bainhas que os recobrem, ocasionando dor local.
- Tendinite (inflamação dos tendões) exemplos:
- Tendinite do Bicipital: é a inflamação do bíceps, decorre de atividades repetitivas do braço e do exercício muscular intensivo ou de traumas no ombro.
- Tendinite do Supra - Espinhoso: é a inflamação do tendão do músculo supra-espinhoso em torno da articulação do ombro, decorre também ,de atividades repetitivas do braço e de exercício muscular excessivo, sintomas de sensação de peso até dor violenta no local.
- Síndrome do Túnel do Carpo: Decorrência da compressão do nervo mediano na altura do carpo, envolve um estreitamento do túnel do carpo pelo espessamento do ligamento anular do carpo provocando atrito entre tendões e ligamentos.
- Epicondilite: caracterizada por uma ruptura ou estiramento nos pontos de inserção , membranas interósseas, do cotovelo, ocasionando processo inflamatório que atinge tendões, músculos e respectivos tecidos que o recobrem.
- Cervicobraquialgia (dor e enrigecimento do pescoço).
- Dedo de Gatilho: Impossibilidade de estender o dedo em razão da passagem dos flexores (tendões responsáveis pelo movimento de flexão ) estar apertado (pela polia), aumentando o atrito dos tendões e provocando inflamação local.
- Sindrome do Desfiladeiro Torácico: Decorrência da compressão de vasos e nervos entre o pescoço e o ombro na saída do tórax que passa por um canal delimitado pela clavícula, primeira costela e músculos, este canal pode se estreitar mais ainda ao se trabalhar com a cabeça elevada ou por vícios de postura.
- Síndrome do Pronador Redondo: Compressão do nervo mediano, abaixo da prega do cotovelo entre os dois ramos do músculo pronador redondo, ou do tecido que reveste os bíceps, ou na arcada dos reflexores (tendões responsáveis pelo movimento de contração) dos dedos, enfraquece o movimento de pinça entre o polegar e os outros de dos e ocasiona dor na região do antebraço e nos três primeiros dedos.

Sintomas:
- Dor nos tendões dos pulsos, coluna cervical e escapula, na região lombar e em casos mais graves edemas nos locais afetados;
- Alteração sensitiva: cansaço nos ombros e braços;
- Perda da velocidade habitual do trabalho;
- Inchaços nos braços e nas mãos;
- Sensação de amortecimento (formigamento) nas mãos e nos antebraços.

Como prevenir:
- Estabelecer pausas e limitações do tempo de trabalho em determinadas posições;
- Adapte mobiliário as máquinas, os dispositivos, os equipamentos e as ferramentas as suas características fisiológicas;
- Mantenha uma atividade física regular (envolvendo tronco e membros).

Alguns exemplos de onde pode ocorrer a incidência da D. O. R. T. / L. E. R.

EM CASA:
- Lavar roupas (principalmente esfregar e torcer);
- Contato com água fria;
- Bater bolo;
- Segurar panelas pelo cabo (prefira panelas de alças duplas);
- Carregar compras (use o carrinho);
- Colocar objetos no alto do armário;
- Esfregar o pano no chão;
- Segurar o filho ou amamenta-lo (é indicado apoios no pescoço ou travesseiro afim de que os membros superiores apenas apoiem o bebe, evitando ter que sustenta-lo).

NO TRABALHO:
- Inclinar-se para alcançar o mouse do computador;
- Teclados acima da altura dos cotovelos;
- Punhos com desvios;
- Uso do telefone apoiado nos ombros;
- Monitor muito alto;
- Cadeira inadequada;
- Uso do computador por muitas horas seguidas;
- Prazos curtos para a conclusão do trabalho.

COMO TRATAR:
- Reduza a força necessária para finalização do trabalho;
- Eliminar a postura incorreta da cabeça e dos membros superiores;
- Reduzir os movimentos de alta repetitividade;
- Medicação (antiinflamatórios, analgésicos, vitaminas, medicações sintomáticas);
- Fisioterapia;
- Terapia ocupacional;
- Cirurgia em alguns casos.

LEMBRE - SE:
- Evite movimentos dolorosos;
- Neste tipo de distúrbio crônico o tratamento é prolongado, não existe cura imediata;
- Os antiinflamatórios são eficazes e não devem ser interrompidos só porque estão demorando a fazer efeito;
- Procure sempre um Médico;
- Faça sempre atividades físicas;
- Procure não pensar na dor, quanto mais você pensa nela, mais ela fica com você.

Voltar

Solicite um Orçamento